Menu
Modelos
Menu
Porsche - Os modelos 911 GT3
Porsche 911 GT3
911 GT3
A partir de EUR 205 672,00 ¹
Porsche 911 GT3 RS
911 GT3 RS
A partir de EUR 250 515,00
911 GT3 RS
A partir de EUR 250 515,00
383 kW/520 CV
Potência (kW)/Potência (CV)
3,2 s
Aceleração dos 0 - 100 km/h
Tração traseira
Tração
WLTP*
13,6
l/100 km
308,0
g/km
NEDC*
303
g/km
Porsche - 911 GT3 RS Porsche - 911 GT3 RS Porsche - 911 GT3 RS

Dados técnicos

Porsche 911 GT3 RS - Dados técnicos
Distância entre eixos: 2 453 mm
Comprimento: 4 557 mm Altura: 1 297 mm
  PDK
Potência (kW) 383 kW
Potência (CV) 520 CV
Potência máxima às 8 400 rpm
Aceleração dos 0 - 100 km/h 3,2 s
Velocidade máxima 312 km/h
Preço A partir de EUR 250 515,00
Comparação de modelos

Cores e jantes

Equipamento

Conceito
Tracção & Chassis
Segurança
Conforto & Áudio

911 GT3 RS Challenge.

Da simulação para o circuito de competição.

Nível 5. Um vencedor. Quem se afirma na Forza Motorsport 7 Online Cup, quem melhora as suas capacidades de condução num autêntico circuito de competição e atinge o último nível: o Porsche Master Cup Training?

Prepare-se para uma prova extraordinária.

Nível 5

Grand Finale.

Um sonho torna-se realidade. Em Barcelona, o vencedor do Challenge, Anto, conduz pela primeira vez o 911 GT3 Cup – sob a orientação do piloto profissional Timo Bernhard.

Em contacto pessoal com Timo Bernhard.

Acompanhe o campeão mundial de Endurance da FIA durante o treino com o vencedor, Anto.

Nível 4

The Encounter.

Agora é a sério. Os últimos quatro jogadores encontram-se no Hungaroring ao volante do 911 GT3 RS. Quem se consegue impor e atingir o último nível?

Nas boxes com o participante Anthony.

Uma perspetiva pessoal sobre o encontro com o 911 GT3 RS.

Nível 3

Training Day.

Teste de resistência em Leipzig. No circuito de testes, os participantes trocam o simulador pelo banco do condutor. Como se irão portar num verdadeiro automóvel desportivo?

Na pista com o instrutor David Jahn.

Acompanhe o instrutor da Porsche Track Experience no circuito de competição em Leipzig.

Nível 2

Stage Time.

Oito finalistas. Quatro lugares livres para os treinos de condução em Leipzig. Quem resiste à pressão do público na final em direto – e deixa para trás os seus rivais na corrida decisiva?

Nos bastidores com Shannon McIntosh.

Acompanhe a piloto nos bastidores da maior feira de videojogos do mundo, a Gamescom.

Nível 1

Virtual Clash.

O concurso está aberto. Quem luta pelo topo das classificações e assegura um lugar na corrida final?

Da qualificação aos playoffs.

Os destaques da 911 GT3 RS Online Cup na emocionante reportagem da corrida.

Nível 5

Grand Finale.

Conselhos do piloto profissional – Timo Bernhard partilha experiências pessoais em conversa com o vencedor do Challenge, Anto.

Timo Bernhard, piloto oficial da Porsche e atual campeão mundial de Endurance da FIA, compartilha de bom grado a sua experiência de 20 anos na competição automóvel.

“Gosto sempre de encontrar pessoas que partilham da minha paixão pela competição automóvel e de podermos trocar ideias.” Timo Bernhard – vencedor geral em Le Mans, recordista no circuito de Nordschleife, campeão mundial de Endurance e piloto oficial da Porsche desde 2002. Não só conhece os circuitos mais importantes do mundo, como também já celebrou grandes sucessos na maior parte deles. Em Barcelona depara-se com Anto, o vencedor do 911 GT3 RS Challenge. Vai acompanhá-lo no próximo passo na competição automóvel – no treino para a Master Cup.

Anto necessitou de passar no nível 4 para poder garantir a sua participação no treino de dois dias, cujo ponto central é a transição para o veículo de competição: o 911 GT3 Cup. O ponto alto de um Challenge empolgante, no qual Anto deu provas do seu talento a conduzir, tanto virtualmente como no percurso real. Desde o concurso no Forza Motorsport 7 Online Cup e uma corrida ao vivo na Gamescom em Colónia, até aos treinos de condução intensivos no 911 GT3 RS.

Online Cup, Gamescom, treinos de condução em Leipzig e no Hungaroring – Anto impõe-se aos seus concorrentes.

Promete ser um intercâmbio interessante. O piloto profissional de um lado e o jogador entusiasta da competição automóvel do outro. De manhã, Timo vai buscar Anto para uma volta pelas estradas de Barcelona, para se conhecerem. Quando o 911 GT3 RS Verde Lagarto para à frente do hotel e o olhar dos dois se cruza pela primeira vez, rapidamente se torna claro que têm muito a contar um ao outro. Uma paixão comum une-os: o fascínio e o amor à competição automóvel.

Sonhos de infância.

É a típica profissão de sonho de muitos rapazes: ser piloto de corridas. Um objetivo que não está ao alcance de todos. Contudo, para Timo Bernhard não existe um plano B. “Sempre fui obcecado por automóveis. Mesmo não sabendo como chegar lá, o estímulo e a vontade de ser piloto profissional estiveram sempre presentes.”

O seu pai, piloto como hobby, incutiu na altura a paixão pelo desporto na família. Timo ainda não tinha um ano quando o levaram a primeira vez ao circuito de competição. A partir dos 5 anos passou a ir a todas as provas. “Na altura, íamos às 4 da manhã para o Nürburgring. Comíamos um pão com manteiga, mais nada. Passávamos o dia gelados, mas não importava. Não se tratava da imagem ou de prémios em dinheiro. Tratava-se apenas do entusiasmo por aquilo.”

O desporto automóvel é uma paixão que não é possível desligar. Eu vivo o desporto automóvel.

Nas frequentes excursões para as provas com o seu pai, desenvolveu um fascínio profundamente enraizado – ou melhor, uma forma de estar na vida. Com 4 ou 5 anos dizia aos amigos do pai que um dia ia ser piloto – profissional.

Anto mostra a Timo Bernhard fotografias das suas primeiras incursões na competição automóvel, que também perseguiu desde a infância o sonho de se tornar piloto.

Na viagem pela metrópole espanhola, Timo Bernhard fala sobre os primórdios da sua própria carreira. O seu caminho de “perto do circuito” para “no circuito”. Há já 20 anos que é um piloto profissional de sucesso. Com 10 anos, entrou no slalom de kart para crianças, conquistando logo o título de campeão. Em 1999, entra na equipa júnior da Porsche, na altura como o piloto mais jovem, abrindo assim o caminho para uma grande carreira como piloto oficial da Porsche.

Timo ainda se lembra bem do dia da seleção de juniores e consegue imaginar aquilo por que Anto está a passar. Mesmo não se tratando de um lugar concreto como piloto. “Queremos, naturalmente, aproveitar a oportunidade de participar num treino destes, retirar experiências que nos ajudam a progredir. Quer fazer um bom trabalho.” Afinal de contas, Anto deixou 12.000 adversários atrás de si para estar aqui.

Determinado a desempenhar bem o seu papel: Anto olha para o treino que se avizinha no 911 GT3 Cup com uma expectativa tensa.

Na verdade: o 911 GT3 Cup

é outro desafio. Anto conquistou o nível 4. Também já conduziu veículos de competição verdadeiros. Embora nenhum como o 911 GT3 Cup. A base deste veículo é o 911 GT3 RS. Surge na mesma linha de produção e, no entanto, as diferenças são nitidamente reconhecíveis: o volante com acoplamento de desencaixe rápido, tablier e patilhas de mudança de velocidades, a escotilha de salvamento amovível no tejadilho e a rede de segurança no centro do veículo fazem com que até os leigos entendam que se trata de um verdadeiro veículo de competição.

Nas boxes, Anto recebe uma introdução individual. O 911 GT3 Cup possui 485 CV. Através da carroçaria de peso reduzido em estrutura de Alumínio e Aço, bem como outras reduções, o automóvel pesa apenas cerca de 1.200 quilogramas. A potência do motor é enviada para o eixo traseiro através de uma embraiagem de competição e uma caixa sequencial de garras de 6 velocidades da Porsche. As velocidades são mudadas eletropneumaticamente através de patilhas no volante (Paddle Shift). Sistemas de assistência? Nenhum. “É um veículo de competição genuíno”, refere Timo Bernhard. Todos os veículos têm uma estrutura idêntica. As capacidades do condutor podem, por conseguinte, ser muito bem analisadas numa corrida.

Anto escuta atentamente, enquanto Timo Bernhard explica as especificações do veículo até ao mais pequeno pormenor. A seguir, entra pela primeira vez. O banco e o cinto são ajustados antes de entrar no circuito para o aquecimento.

Nível novo.

No veículo de competição dominam outras leis. Anto encara a nova missão com respeito. Sem medo, mas cautelosamente, dá início às suas primeiras tentativas no GT3 Cup. Contudo, Timo Bernhard, ele próprio admirador de grandes nomes como o “professor” Alain Prost, a lenda alemã da competição automóvel, Walter Röhrl, e Stefan Bellof, sabe como eliminar estas barreiras iniciais.

Na primeira viagem, sentiu-se imediatamente a sua paixão – pela competição automóvel e também pela marca Porsche.

Dá instruções claras e, ainda assim, é acessível, aberto. Ambos riem muito um com o outro. Rapidamente se torna evidente que Anto já tem uma boa base. “É um jovem perspicaz que tem a paixão pelo desporto automóvel dentro de si. O que lhe posso transmitir nestes dois dias: como manter a calma necessária, aprender, mas também aproveitar.” E é isso que Anto faz. Sob a orientação do especialista, Anto torna-se cada vez mais descontraído, a luz nos seus olhos intensifica-se. Atreve-se cada vez mais e aproveita o tempo do treino para se desenvolver.

Etapas.

Enquanto no início do treino no 911 GT3 RS, os exercícios ainda eram realizados em estações individuais, para, por exemplo, aprender a recuperar o controlo de um veículo desgovernado, no GT3 Cup o que importa é apenas a condução orientada no circuito. Antes de cada sessão – ou cada “outing”, como se chama na gíria da competição automóvel – Anto recebe uma tarefa concreta do profissional como, por exemplo, o exercício da ultrapassagem.

“Selecionámos duas curvas. Depois disse-lhe como deveria posicionar-se para conduzir o mais perto possível de mim e para me ultrapassar. Claro que dei uma pequena ajuda”, explica Timo Bernhard com um sorriso. Anto fica gradualmente mais familiarizado com o veículo e com as suas caraterísticas. Uma tarefa executada atrás da outra. Esta é a filosofia da Porsche Track Experience, na qual Timo Bernard desempenha o papel de treinador de condução algumas vezes por ano.

Anto está a dar-se bem. Um autoconhecimento realista, uma boa sensibilidade para a condução e uma vontade de aprender elevada são as bases para a sua performance no circuito. “É ávido por conhecimento, mas não se sobrestima. Boas caraterísticas para poder retirar muito destes dois dias.” Apenas os elementos físicos causam ligeiros problemas. Depois de algumas sessões, doem-lhe as mãos e as costas. O corpo vai-se cansando. “Obviamente que não se consegue ganhar a forma física em dois dias. No desporto automóvel, temos um treino físico muito abrangente para suportar os esforços físicos no veículo.”

Uma vida para o desporto automóvel.

Além de um bom autoconhecimento, são também importantes uma boa capacidade de compreensão, uma boa coordenação mãos-olhos, mas também espírito de equipa, para ser bem sucedido no desporto automóvel. E, claro, talento. “Tenho sempre atenção à forma como um condutor lida com o carro. Se é divertida e natural. Pois, desta forma, a pessoa consegue aceitar e executar novos impulsos ou instruções de fora.”

Timo Bernhard possui há alguns anos, em conjunto com o seu pai, a sua própria equipa de competição e sabe aquilo que deve ter em atenção relativamente aos jovens talentos. Coloca o entusiasmo pelo desporto ainda mais à frente do talento. O entusiasmo é necessário para ter sucesso no desporto automóvel a longo prazo, para ajustar a própria vida ao desporto. Um ambiente estável, de apoio, e os meios financeiros necessários são um requisito para tal. No entanto, é sobretudo necessário um caráter forte e a vontade de melhorar continuamente.

Timo Bernhard aproveita a sua longa experiência na competição automóvel para trabalhar meticulosamente com Anto na sua performance no circuito.

Timo Bernhard gosta de lançar novas tarefas e desafios a si próprio. Prepara-se intensiva e detalhadamente para cada projeto. Deste modo, obtém a calma e a confiança necessárias para superar-se a si próprio. Ir sempre um passo além. Como recentemente na volta recordista no 919 Hybrid Evo no circuito de Nordschleife. Preparou-se durante muitos meses com a equipa para estes 5:19,55 minutos. “O percurso era complicado e fico contente por tê-lo conduzido”, diz orgulhoso.

A orientação da própria equipa, cuja formação foi também uma homenagem ao pai, Rüdiger, é igualmente uma tarefa complexa para o profissional de competição experiente. Na época de 2018, voltou novamente a participar como condutor no ADAC GT Masters. “É outro tipo de condução. Mas penso que fazemos um trabalho bastante bom e temos muito potencial.” No próximo ano querem atacar em força. No final, o objetivo a longo prazo é tornarem-se a equipa oficial da Porsche.

Estou ansioso por muitos mais momentos bonitos na minha carreira. É necessário manter-se atento e nunca parar de aprender.

E que conselho pode Timo Bernhard dar a Anto e a outros jovens pilotos para impulsionarem a sua própria carreira? “Não nos podemos achar demasiado bons e esperar pelas grandes provas. É preciso conduzir também nas provas pequenas. Aproveitar todas as oportunidades e fazer quilómetros.” Timo Bernhard ri-se: “A oportunidade está no circuito.”

Consumos e emissões

911 GT3 RS (WLTP)*
13,6
l/100 km
308,0
g/km
911 GT3 RS (NEDC)*
303
g/km

Nível 4

The Encounter.

A decisão do 911 GT3 RS Challenge é tomada no Hungaroring. Veja como Anto conseguiu impor-se aos seus três adversários.

Para o Nível 4

Nível 4

The Encounter.

Treino. Sonhos. Impetuosidade. O jogador Anthony, também conhecido por "Anto", partilha as suas impressões pessoais do encontro com o 911 GT3 RS.

Anthony, também conhecido por "Anto", jogador de simulador de corridas e piloto como hobby, só conhece o 911 GT3 RS no Forza Motorsport.

Agora é a sério.

Um circuito de competição verdadeiro. E um automóvel desportivo concebido para corridas. O Nível 4 do 911 GT3 RS Challenge é o auge. É dar tudo por tudo. Os restantes quatro participantes conseguiram impor-se a 12.000 rivais na Online Cup, superaram a pressão no palco da Gamescom e mostraram no circuito em Leipzig que não ficam aquém das expetativas num veículo verdadeiro.

Dois dias de treinos de condução intensos no 911 GT3 RS e um contrarrelógio decisivo no simulador 911 GT3 Cup separam-nos da vitória no Challenge. Só um deles irá viajar no fim para o treino da Master Cup em Barcelona.

Foi sempre o meu sonho tornar-me um piloto profissional.

Anthony gostaria de ser esse "tal". O francês de 27 anos não pensava, ao princípio, possuir chances de ganhar. Apenas queria dar o seu melhor. Uma atitude que o levou longe. Anthony desenvolveu o seu entusiasmo pelo desporto automóvel em criança. Uma paixão profunda pela velocidade, a adrenalina, as emoções e os sons dos motores.

Após as primeiras experiências no "Mario Kart" da Nintendo 64, passou com 12 anos para jogos de corridas mais realistas. Participa num campeonato francês. Conduz em conjunto com o seu pai e 19 rivais para a final em Paris e vence. "Percebi rapidamente que não faço má figura", relembra Anthony com humildade.
Combina bem. Anthony está sempre focado, atento, aprende rapidamente. Aproveita todo o tempo do Challenge para se desenvolver.

Miguel ("Kaiser Wolf"), Dominik ("K4mi"), Anthony ("Anto") e Tobias ("toobE") encontram-se pela primeira vez nas boxes com o 911 GT3 RS.

Os bosses.

911 GT3 RS (WLTP)*
13,6
l/100 km
308,0
g/km
911 GT3 RS (NEDC)*
303
g/km

"Dominar a força do automóvel, os 520 CV, e controlá-la no circuito será um desafio para mim", comenta Anthony. Os quatro veículos já esperam os seus condutores nas boxes. O som poderoso dos motores Boxer de admissão de 6 cilindros manifesta-se na reta final quando os participantes dão início aos treinos.

O 911 GT3 RS foi feito para o circuito de competição. A aerodinâmica, graças ao grande aileron traseiro fixo, está adaptada à força descendente máxima. O eixo traseiro direcional com afinação desportiva assegura uma maior agilidade e estabilidade em mudanças de faixa rápidas através de um aumento virtual da distância entre eixos. E as novas entradas de ar NACA apoiam a ventilação do sistema de travagem para que não sobreaqueça em plena carga. Só para indicar algumas razões.

No entanto, o facto de o automóvel ter todas estas caraterísticas não significa que os condutores o saibam manobrar.

No trail braking, o primeiro treino, têm de travar de forma controlada na curva. Só ao sair da curva é que se solta o travão e se acelera novamente. É por estas travagens típicas da competição automóvel que os discos dos travões são perfurados e ventilados, reduzindo o peso do 911 GT3 RS pela sua construção bipartida com pinças em alumínio.

O design agressivo e o som do motor Boxer tornam o 911 GT3 RS tão especial para mim.

Não é fácil manter a trajetória e adaptar-se ao ponto de travagem exato. Contudo, Anthony aprende a perceber melhor o desempenho de travagem do veículo. "Agora percebo por que razão é necessária uma perna esquerda forte para travar corretamente o GT3 RS", sorri. Está grato por todas as dicas que recebeu. Nunca tinha tido um treino tão abrangente e está certo de que aqui pode evoluir muito como piloto.

Os quatro participantes começam lentamente a ficar atrapalhados. Quase não existe tempo para descanso entre os treinos. São muitas as informações que têm de receber, processar e aplicar. Mesmo muitas. Stef Vancampenhoudt, um dos instrutores da Porsche Track Experience que dirigem o treino, espicaça-os. "Não é difícil conduzir o 911 GT3 RS no circuito", afirma a rir-se.

De certa forma tem razão. O automóvel tem todas as condições para tal. Todavia, é necessário saber como as utilizar. Para dar mais ênfase à sua afirmação, os participantes podem sentar-se no banco do passageiro e acompanhar Stef numa hot lap pelo circuito.

"Todas as travagens, todas as acelerações, todas as derrapagens mexeram comigo. Senti um friozinho na barriga que não pensei ser possível – que divertido!"

Tornei-me novamente uma criança. Não conseguia parar de sorrir.

Por fim, os participantes recebem nas boxes uma introdução às especificidades do veículo. Capot dianteiro e traseiro em plástico reforçado com Fibra de Carbono. Tejadilho em Magnésio. Silenciador traseiro em Titânio. Até no escudo Porsche se tem em conta a redução de peso. Ao conhecer as especificidades, é possível aproveitá-las em seu benefício no circuito.

Na análise do veículo, o instrutor da Porsche Track Experience Jukka Honkavuori entra no mais pequeno detalhe.

Na pole position.

Ao observar Anthony no circuito de competição e nos treinos torna-se claro que esta não é a sua primeira corrida. Em 2012, ganhou uma época na Audi A1 Cup numa competição francesa de videojogos. Foi aí que Anthony compreendeu imediatamente que o seu lugar é no banco do condutor de um automóvel de competição. Participa, desde a última época, na "Pompier Racing Team" como bombeiro voluntário. Esta equipa, como o nome indica, é composta por bombeiros de toda a França. Competem, na Lamera Cup, com um veículo desenvolvido especialmente.

No 911 GT3 RS, é ele que marca o ritmo. E isto, apesar de ser o único dos 4 participantes que restam em Leipzig que conduz um Porsche pela primeira vez. O que mais aprecia é a sobreviragem controlada. Ser ele próprio a desencadear a derrapagem e a controlá-la. Uma sensação indescritível.

Dois dias e 436 quilómetros conduzidos depois, o próprio instrutor não tem muito a acrescentar perante as análises de vídeo das suas voltas – exceto que, por vezes, chegou a ter dificuldades em acompanhar Anthony. Com um piscar de olhos, entenda-se.

É indescritível. Nunca tinha conduzido um automóvel como o 911 GT3 RS.

O novo 911 GT3 RS – um automóvel desportivo com declaração de guerra.

Na reta final.

Anthony não se coloca sob pressão. Aprendeu a controlar as suas emoções em situações importantes e a concentrar-se. Nomeadamente graças à sua experiência nas competições de videojogos – embora a sua última corrida perante um público antes da final na Gamescom tenha sido há já algum tempo. "Quando estou em frente ao meu ecrã, é como se estivesse dentro de uma bolha e desligo tudo à minha volta." Algo que reverte a seu favor no contrarrelógio decisivo.

Os quatro participantes fazem as suas voltas sucessivamente no Hungaroring num 911 GT3 Cup transformado. Anthony nunca conduziu um simulador tão profissional. De volta às origens, ao mundo virtual. Contudo, não se trata de um "jogo em casa". Este simulador é utilizado pelos pilotos como preparação. O cockpit é reduzido ao máximo, a caixa de segurança é fiel à original, os movimentos imitam o verdadeiro comportamento em circuito de competição. A mera entrada no veículo constitui para alguns um desafio.

Estará nervoso pouco antes do contrarrelógio decisivo no simulador Porsche Cup? "Não, porquê?", responde Anthony. "Se ganhar, será o auge. E se perder, passei aqui dois dias inesquecíveis."

Os jogadores não conhecem os seus tempos durante as voltas, nem os dos outros jogadores. Anthony simplesmente conduz, aplica aquilo que aprendeu. Os seus rivais não lhe facilitam a vida. Cada um dos três participantes dá o seu melhor e Anthony tem de estar sempre concentrado a 100%. Por fim, os quatro participantes voltam uma última vez para o circuito para ser anunciado o vencedor.

Os participantes, altamente concentrados, tentam aplicar no contrarrelógio do simulador 911 GT3 Cup tudo aquilo que aprenderam nos treinos no circuito verdadeiro.

Próxima paragem: Barcelona.

O ambiente é de alta tensão. Um treino de dois dias no 911 GT3 Cup em Barcelona espera pelo vencedor. Um primeiro passo no sentido do desporto automóvel profissional. Todos os quatro jogados anseiam por esta oportunidade única. Quando ouve o seu nome, Anthony levanta os braços num gesto de vitória e irradia felicidade. O seu sonho torna-se realidade. Com 1:50:584 minutos, no final é ele o vencedor. Quase um segundo à frente do segundo qualificado, Tobias, também conhecido por "toobE".

"Estou muito orgulhoso por ter vencido este desafio. Não nos podemos esquecer que éramos 12.000 jogadores ao princípio, entre os quais alguns dos melhores do mundo – e no fim sou eu o vencedor." Para Anthony, que pretende evoluir como piloto, esta é talvez a maior vitória de toda a sua experiência na competição automóvel.

O que Anthony ainda não sabe, é que terá um treinador muito especial a acompanhá-lo durantes os dois dias em Barcelona. O que poderá levar consigo deste encontro? O que aprenderá no treino da Master Cup? Ao perguntar-lhe sobre as expetativas concretas relativamente ao último nível, sobressai novamente a sua natureza humilde. "Claro que penso sobre o assunto, mas estou certo de que rapidamente me vou divertir."

Consumos e emissões

911 GT3 RS (WLTP)*
13,6
l/100 km
308,0
g/km
911 GT3 RS (NEDC)*
303
g/km

Nível 3

Training Day.

No circuito de competição da Porsche em Leipzig, os participantes trocam pela primeira vez o simulador pelo banco do condutor. Assista à preparação dos participantes no Hungaroring.

Para o Nível 3

Nível 3

Training Day.

Teste de resistência em Leipzig. O instrutor David Jahn leva-nos ao circuito de competição e permite-nos uma rara visão dos treinos diários.

David Jahn, fervoroso piloto e jogador de simulador de corridas, demonstra há mais de seis anos aos clientes, enquanto instrutor da Porsche Track Experience em Leipzig, o que significa conduzir em condições extremas.

Leipzig Calling.

Está uma manhã ventosa. O sol nascente desenha o seu trajeto de forma quase impercetível no céu coberto por nuvens. Tranquila, quase em paz, assim se encontra a fábrica da Porsche em Leipzig com o circuito de competição mesmo ao lado. Ainda. Em breve, os sons de motor ecoarão no circuito e darão vida às instalações da fábrica.

O 911 GT3 RS Challenge passa à terceira fase. Restaram quatro participantes, prontos para o seu primeiro dia de treinos num circuito verdadeiro. Quem os recebe é David Jahn. Há mais de seis anos que trabalha como instrutor na Porsche Track Experience em Leipzig. Conhece os vários tipos de condutores, os seus desejos e necessidades, e sabe de que forma os poderá ensinar. Coloca elevadas expetativas aos participantes do Challenge.

"Na verdade, têm de mostrar mais do que um participante que conclua pela primeira vez um treino de condução connosco. Afinal, já têm alguma prática com os automóveis rápidos." Sorri. Mas é algo que é levado a sério. DJ, como é tratado pelos colegas, também conduz em simuladores de corridas. Além do puro prazer de condução, estabelece paralelismos entre o mundo virtual e o circuito verdadeiro. E sabe o que se pode aprender do jogo. O seu colega, Micha, concorda: "Posição do banco, postura ao volante, linha do olhar. É nestes elementos que tudo assenta. Se isso já tiver sido treinado, podemos passar diretamente ao passo seguinte."

Travagens tardias. Mesmo em cima da curva. Para depois acelerar prego a fundo. O automóvel foi criado para isto e é preciso aproveitar.

Nas boxes, os participantes recebem as últimas instruções antes de pisarem a pista pela primeira vez.

Ligar os motores.

Os participantes têm perante si um dia inteiro de treinos. Três instrutores, uma variedade de exercícios e quatro 911 Carrera S já esperam por eles. Após o briefing, é tempo de os jogadores tomarem os seus lugares no banco do condutor. O primeiro gesto: a ignição à esquerda. O som do motor provoca grandes sorrisos nas suas caras. Ainda assim, é notório um certo respeito, uma contenção em relação ao veículo.

Afinal, há algumas diferenças decisivas relativamente à realidade. "Existem odores, as forças G, o som do motor, sente-se tudo na direção. Desperta muitas mais emoções." Manter o respeito e, mesmo assim, alcançar as condições extremas. Esse será o maior desafio para os participantes. Especialmente, quando podem entrar no 911 GT3 RS.

Tobias, conhecido por "toobE", escuta concentrado as dicas do instrutor da Porsche Track Experience, Michael Poese.

Levá-los a esse nível, passo a passo, é a tarefa dos especialistas da Porsche Track Experience. O plano de exercícios está totalmente ajustado às necessidades dos participantes. Tem início com as unidades básicas. Mudança de faixa, slalom, travagens. "Há muitos que desesperam nesta fase, porque não se atrevem a travar a fundo. Além disso, os rapazes têm de treinar o multitasking. O facto de não soltarem o travão quando se desviam do obstáculo", explica David, enquanto atrás de si se ouve o chiar de uns pneus e alguns cones são atirados da pista.

Treino e disciplina são indispensáveis.

Os participantes têm sobretudo de conhecer o veículo e a respetiva reação. De que forma se comporta o 911 numa situação de condução dinâmica em curva? Em alternâncias de carga? O que se deve fazer quando se está prestes a perder o controlo do veículo? É essencial uma coordenação de movimentos das mãos e dos pés. "Frequentemente, em especial no que diz respeito à direção, menos é mais. É muito comum os participantes ficarem demasiado agitados, por exemplo, no slalom. Para tal, é preciso encontrar e aprender a técnica de condução certa, trabalhar simultaneamente com o acelerador e o travão."

É um pouco como numa dança.

A sobreviragem controlada é mesmo uma arte. Os participantes conduzem a alta velocidade em direção à rotunda, na qual existe uma curva apertada. Mesmo a chegar à curva, têm de travar a fundo para, em seguida, acelerarem à saída da curva numa mudança de velocidade mais baixa. "Já fazem isso muito bem. Agora vamos desligar os sistemas de controlo", refere Davis, dando instruções precisas através do seu walkie-talkie.

Profissão e vocação.

É notório que David se diverte muito no trabalho. O que mais gosta na sua profissão é o facto de ser tão versátil. "Todos os dias acordas e tens pela frente uma pequena aventura." Os clientes mudam quase diariamente e é preciso estar sempre a adaptar-se às novas pessoas. Dos absolutamente iniciantes aos que participam em corridas como hobby. "Requer paciência. Nem todos podem ser instrutores." Também os diferentes veículos e circuitos de competição têm as suas especificidades.

O circuito em Leipzig destaca-se especialmente, pois reproduz famosas chicanes, curvas e retas do desporto automóvel mundial, como a Corkscrew de Laguna Seca ou a Parabolica de Monza. "Não é o circuito mais rápido, mas é muito exigente em termos técnicos. Existem muitas combinações de curvas, umas a seguir às outras. Por vezes é preciso acelerar, outras travar. Temos de nos adaptar a qualquer situação."

Os nossos circuitos de treino são cuidadosamente selecionados e muito exigentes.

Do primeiro treino de condução segura até ao rigoroso treino para a Master Cup no veículo da Porsche Cup que espera pelo vencedor no final do Challenge, a Porsche Track Experience oferece cursos em diversos níveis de treino, bem como treinos especiais separados. Para mais informações sobre a oferta, consulte www.porsche.com/trackexperience.

À descoberta da linha ideal.

A próxima etapa no programa de treino: a aproximação à linha ideal. A tarde encontra-se totalmente reservada para o "Guided Driving". Dois grupos dirigem-se para a pista. Um veículo de instrutor à frente, os dois participantes atrás. O objetivo: fazer a curva com o maior raio de curva possível e com a cadência correta de travagem, manobra e aceleração. Aqui são estabelecidas as bases para o percurso no 911 GT3 RS no Hungaroring, pois com o novo conceito com via mais larga é possível fazer as curvas rápidas de forma ainda mais ágil. Mas isso só é possível com o treino adequado.

David já conhece a pista de trás para a frente. O que é bom, porque durante o treino passa 50% do tempo a olhar pelo retrovisor. "Na verdade, olho continuamente para trás e apenas brevemente para a frente, só para ver se ainda estou na pista." David presta atenção se a linha é seguida, se os participantes estão a atingir corretamente os pontos de travagem. "Olhando atentamente, conseguimos ver no retrovisor de que forma o participante se está a comportar no automóvel, se está agitado ou calmo."

Nervosos será o que mais se aplica aos participantes. Começam logo por perguntar na primeira volta se podem acelerar um pouco mais. Todavia, a linha tem de estar correta. "Sem a linha certa, nunca serás rápido." Assim, lentamente, a velocidade é aumentada. Conduzir na linha ideal. Copiar, guardar, tornar-se mais rápido. Esta é a teoria. Volta após volta. Até que os participantes deixem apenas um rasto atrás de si quando passam pelas boxes na reta.

Prontos para o próximo nível.

Chegou o momento de fazer um balanço. Os jogadores portaram-se bem. Alguns fizeram grandes progressos. Contudo, estarão preparados para o próximo e decisivo nível – o encontro com o 911 GT3 RS?

Após mais de oito horas de treino de condução ao mais alto nível, todos os participantes ainda estão muito bem-dispostos. O próximo desafio está iminente: o duelo com o 911 GT3 RS no Nível 4.

Marian, o terceiro instrutor do grupo, não está minimamente preocupado. Mesmo assim, dois desafios esperam pelos participantes no Hungaroring. Por um lado, o circuito é um pouco mais exigente. "A configuração é diferente, tem subidas e descidas e é um circuito mesmo muito rápido."

A isto acresce o 911 GT3 RS. "O automóvel tem nitidamente mais aderência, mais potência. As velocidades nas curvas são mais elevadas. É algo completamente diferente." Os colegas concordam: "As informações são obtidas diretamente da estrada. Estamos sentados mais abaixo, com poucos materiais de isolamento, pouco estofo nos bancos. Sentimos imediatamente tudo. O automóvel exige mais de nós enquanto condutores."

Por princípio, o 911 GT3 RS assemelha-se ao GT3 Cup – só que com jantes de estrada e mais elementos no interior.

E no final, para que saibam com o que devem contar, os participantes voltam novamente ao circuito de competição num 911 GT3. No banco do passageiro.

Quando os participantes saem do veículo de instrutor após duas voltas, as suas caras falam por si. Exaustos, mas felizes. Profundamente impressionados e muito ansiosos. Um último "high five". Um último olhar para o circuito. Estão prontos para o próximo nível.

Consumos e emissões

911 GT3 (NEDC)*
12,9 – 12,7
l/100 km
290 – 288
g/km
911 GT3 RS (WLTP)*
13,6
l/100 km
308,0
g/km
911 GT3 RS (NEDC)*
303
g/km

Nível 2

Stage Time.

Os quatro participantes conquistam o seu lugar no treino de condução na maior feira de videojogos do mundo. Veja os destaques da grande final na Gamescom.

Para o Nível 2

Nível 2

Stage Time.

O estado de espírito da final na Gamescom. A piloto Shannon McIntosh permite-lhe espreitar os bastidores da maior feira de videojogos do mundo.

Shannon McIntosh, piloto e instrutora, iniciou a sua carreira com cinco anos e, desde então, raramente sai do banco do condutor.

Colossais criaturas fantásticas nos grandes cartazes observam tudo o que se passa. Cenas ameaçadoras ondeiam por cima de ecrãs gigantes. Os graves ressoam de todos os lados do pavilhão com 11 metros de altura e quase 14.000 metros quadrados. Jovens mascarados de heróis dos seus videojogos preferidos abrem caminho pela confusão carregada de energia. Em direção ao stand mais solicitado, ao mais recente jogo, à maior atração. Aqui e agora, trata-se de um dia decisivo para o 911 GT3 RS Challenge.

Como se de outro mundo se tratasse.

No meio da agitação está uma jovem. 1,52 m de altura. Emana felicidade. Não combina muito bem com o cenário e, no entanto, não parece de todo deslocada. A piloto Shannon McIntosh foi pela primeira vez convidada a participar na Gamescom que, com cerca de 370.000 visitantes, é a maior Gaming Convention deste tipo a nível mundial e que se realiza anualmente em Colónia. Shannon desfruta da atmosfera, encara o dia com grande expetativa.

Estará presente quando os melhores oito condutores da Forza Motorsport 7 Online Cup competirem aqui entre si numa final empolgante. Apenas quatro terão a oportunidade nos níveis seguintes de se sentarem num automóvel verdadeiro e de demonstrar o seu valor num circuito de competição real.

A decisão é tomada no palco principal da Electronic Sports League (ESL). Sob o olhar de centenas de fãs de E-Sports. "Isto traz uma intensidade totalmente nova ao jogo. Agora já não estão sentados na segurança das suas casas, mas sim mesmo ao lado dos seus rivais, podem ver as suas caras e sentir as reações do público."

Shannon compreende bem o estado emocional dos participantes. "É uma ótima preparação para o nível seguinte." Têm de demonstrar que possuem força mental. E talento. Os participantes têm de se superar a cada nível. Pois, no final, apenas um poderá vencer a competição.

Para guiar um automóvel desportivo como o 911 GT3 RS em condições extremas é preciso mais do que simplesmente sair da zona de conforto.

O maior desafio aguarda os participantes no Nível 4: o novo 911 GT3 RS.

Muito além do monitor.

Durante o aquecimento, Shannon encontra-se com os jogadores. Ainda parecem descontraídos, conversam sobre a competição e estão contentes por conhecerem a piloto. Já conhece alguns dos finalistas de competições anteriores. Shannon revela quais os desafios que os jogadores irão enfrentar na final: "A maioria está habituada a conduzir com o comando. O facto de agora conduzirem com um volante e pedais faz com que não se sintam tão confortáveis. Mas é um ponto importante. O mais tardar no próximo nível têm de saber manobrar estes equipamentos."

Uma boa oportunidade para os jogadores treinarem a sua capacidade de adaptação. Aceitarem a alteração das condições e encontrarem uma forma de acederem à sua melhor forma. O que, de acordo com Shannon, é uma das caraterísticas mais importantes de um piloto de corridas.

"K4mi" preparou-se mediante um treino intensivo com o volante.

É preciso naturalmente um pouco mais do que isso se se quiser ter sucesso na competição automóvel. É necessário falar a linguagem do veículo. Qual é o feedback que se recebe através do banco? O que se sente nas mãos? Na vida real, todos os sentidos são envolvidos. "A maior dificuldade para os participantes será utilizar o conhecimento que possuem do percurso e do veículo e manter-se calmos quando. De repente, entram em ação os elementos físicos da condução." As forças G. A aerodinâmica.

Os participantes terão de enfrentar alguns desafios. Mas vão adorar!

Graças ao seu trabalho como instrutora no Porsche Experience Center em Atlanta, Shannon sabe bem como é. Explicar como se entra da melhor forma numa curva ou colocar em palavras como se atinge o ponto de travagem perfeito – o que para Shannon é absolutamente natural e intuitivo – torna-se um desafio especial. "Por vezes, é frustrante", comenta, "mas mostrar a alguém o que é conduzir um automóvel desportivo em condições extremas, como pode ser fantástico, é uma sensação formidável."

É compreensível que Shannon esteja já ansiosa por ver os jogadores no nível seguinte em ação no circuito de competição. No entanto, pela frente ainda existe uma corrida virtual. Shannon procura o seu lugar mesmo em frente ao palco. E a competição inicia.

Tudo a postos para a emocionante final.

Os finalistas entram em palco e sentam-se nos seus simuladores. Não existem favoritos. Todos os oito jogadores têm grande experiência no Forza Motorsport. Todos conduzem ao mais alto nível. O fator determinante poderá ser a alteração das condições estruturais. A condução com volante, a distração provocada pelo público, a presença direta dos rivais. Os participantes sentam-se, concentrados. Os seus olhos presos aos ecrãs. Por fim, tem início o espetáculo.

Cada um dos oito finalistas prepara-se para a final à sua maneira.

Têm perante si cinco corridas. São cerca de quatro horas a conduzir. Quase como nas corridas de longa distância. Muito tempo para lutar pelo primeiro lugar, mas também muito tempo para cometer erros e deitar tudo a perder no último momento. Para tal, os participantes trazem consigo algumas caraterísticas importantes da sua experiência em corridas. A concentração, por exemplo. Shannon sabe do que fala. Ela própria adora dar voltas no Forza Motorsport. No jogo, Shannon treina as suas capacidades visuais, a concentração em longas distâncias, esforçar os olhos e não perder a calma devido a influências externas.

E aprende-se a conhecer os percursos, obviamente. "Como piloto, não se pode estar sempre no circuito. Contudo, quanto mais se treinar o percurso, se conseguir visualizá-lo, melhores pilotos somos quando de facto conduzimos no percurso. Tudo aquilo que nos ajude a estar constantemente no modo de condução, é fantástico." Suzuka GP, Road America, Catalunya GP, Silverstone GP e o Nürburgring com a Nordschleife e circuito do Grande Prémio estão programados. "Já conduzi várias vezes no Road America. É incontestavelmente o meu circuito preferido", segreda Shannon, entusiasmada. "No geral, os percursos são muito variados, por isso os participantes têm de se adaptar bem. Vai ser emocionante."

Gasolina no sangue.

Será realmente emocionante. Desde a primeira corrida que as emoções estão ao rubro. Nenhum condutor concede um milímetro que seja aos rivais. Por vezes, dois ou três automóveis colam-se literalmente uns aos outros durante várias voltas. "Aqui é possível assistir-se a corridas intensas e renhidas. Apesar de as consequências não serem as mesmas da vida real, não é fácil permanecer calma, porque se trata de algo extremamente importante para os rapazes."

É possível vislumbrar rostos tensos por trás dos ecrãs. E mesmo nas curtas pausas entre corridas ainda se discute as últimas situações arriscadas.

"Os rapazes adoram o desporto automóvel e o jogo estabelece uma ligação. Acho fantástico que tenham a oportunidade de levar tudo a um novo nível." Também se abriram algumas portas a Shannon quando aos cinco anos decidiu seguir a sua paixão e tornar-se piloto.

Claro que para tal é necessária uma grande dose de tenacidade e de ambição. "No desporto automóvel, trata-se de ultrapassar continuamente os próprios limites e de melhorar o desempenho pessoal. É o que mais aprecio." A determinação que Shannon emana, é também visível nos participantes que se encontram no palco. Está muito calor sob os projetores e os simuladores exigem muito em termos físicos dos jogadores. A intensidade mantém-se até à última corrida. Mesmo na linha da meta não é claro quem irá passar para o próximo nível.

Não é possível cometer um erro e carregar simplesmente no botão de "reset".

Enquanto no palco se faz os últimos cálculos para a tabela classificativa, Shannon já está a pensar no próximo nível. Ela quer ação. "Quando os participantes tiverem de provar o seu talento no circuito verdadeiro, isso vai ser outra história. Estou ansiosa por ver como vão transferir os seus conhecimentos do jogo para um 911." Uma boa razão para estar entusiasmada. Quem iremos encontrar no próximo nível? Como se irão bater os participantes no circuito de competição?

A corrida chega ao fim. Contudo, no palco já se fala com emoção do próximo desafio.

Consumos e emissões

911 GT3 RS (WLTP)*
13,6
l/100 km
308,0
g/km
911 GT3 RS (NEDC)*
303
g/km

Nível 1

Virtual Clash.

12.000 participantes na Online Cup. Oito bilhetes para a Gamescom. Veja aqui como os finalistas asseguraram o seu lugar na corrida decisiva.

Para o Nível 1

Nível 1

Virtual Clash.

12.000 participantes. 48 jogadores nos playoffs. 8 bilhetes para a Gamescom. Os destaques da Online Cup.

Se tudo na sua vida gira em torno do som intenso do motor, do cheiro a gasolina e a borracha no asfalto, então está no sítio certo. Bem-vindo ao 911 GT3 RS Challenge!

É com estas palavras que René Buttler, apresentador da Electronic Sports League (ESL), dá início ao primeiro show em direto da 911 GT3 RS Online Cup. Vai começar. Dá-se início à competição. O primeiro de um total de 5 níveis do 911 GT3 RS Challenge constitui o ponto de partida de um teste excitante para os participantes.

Um teste cujo final representa um primeiro passo em direção à competição automóvel profissional. Mas, antes de mais, os participantes necessitam de ultrapassar os níveis e os outros concorrentes e entregar-se ao 911 GT3 RS – tanto online como offline. Quem tem o que é necessário para vencer este desafio?

Os apresentadores René Buttler e Tobias Brockmann seguem a corrida online em direto do estúdio.

Depressa, para os comandos.

A primeira ronda de qualificação, os playoffs, está à porta. Para alguns, o desafio irá terminar ainda antes de ter realmente começado. Os 48 melhores jogadores, que se terão qualificado anteriormente através de um contrarrelógio na popular simulação de corrida Forza Motorsport 7, competem entre si durante dois dias consecutivos. 48 jogadores que lutam por um dos 8 bilhetes para a final na Gamescom em Colónia.

12.000

participantes na Online Cup

Para a entrada nos playoffs, 48 jogadores impõem-se a mais de 12.000 adversários.

10

nações

Jogadores de todo o mundo aceitam o desafio e qualificam-se na Online Cup para o Challenge.

Chegou a hora de separar o trigo do joio. Os playoffs são exigentes: entre os participantes contam-se alguns dos melhores jogadores de Forza Motorsport, nomeadamente o bicampeão do mundo "Laige". Estes provêm da Alemanha, Brasil, Canadá, China, Espanha, França e Portugal – e querem ir a Colónia. Os jogadores competem entre si numa corrida, divididos em 4 grupos com 12 jogadores. Em dois circuitos de competição, terão de assegurar um lugar entre os 6 melhores, para continuarem no dia seguinte a competir pelo bilhete para a Gamescom.

A maior feira de videojogos do mundo, a Gamescom em Colónia, constitui o cenário do Nível 2.

É com habilidade que competem com o novo 911 GT3 RS nos circuitos de competição. Primeiro, através das chicanes por vezes estreitas do Circuito Barcelona-Catalunha. Uma antevisão para o posterior vencedor, uma vez que aqui poderá participar nos treinos para a Master Cup. Em seguida, no lendário Sebring International Raceway, construído num antigo aeroporto militar e famoso pela sua corrida anual de 12 horas.

Automóvel de competição autorizado para circulação na via pública: o novo 911 GT3 RS no jogo Forza Motorsport 7.

As corridas não estão isentas de reveses. No entanto, os favoritos destacam-se rapidamente. Entre "b0x", "Raceboy77" e "Asix", qualquer um poderá vencer ambas as corridas. Também "Laige" vence as duas corridas e regista a volta mais rápida com 1:51.161 minutos em Barcelona-Catalunha. Declaração de intenções para as próximas semanas?

Uma corrida renhida entre "Anto" e "Kaiser Wolf".

O dia decisivo.

24 jogadores ainda estão em competição. O processo é conhecido: cada grupo de 12 compete diretamente entre si. Contudo, desta vez serão 3 circuitos, começando em Silverstone, seguindo depois para Watkins Glen. A decisão é tomada em Nürburgring, o famoso "Inferno Verde". O objetivo: um lugar no Top 4. Pois apenas os 4 melhores dos respetivos grupos se qualificam para o nível seguinte.

Todos os participantes conduzem ao mais alto nível, todos no novo 911 GT3 RS. São os pormenores que fazem a diferença, a velocidade de reação do condutor, a sua intuição, a sua sensibilidade. Todavia, qualquer erro mínimo é severamente punido.

É no Nordschleife que a decisão é tomada.

Experientes, os favoritos aproximam-se da meta, mas a corrida torna-se novamente emocionante. O processo da competição prevê que na última corrida sejam invertidas as posições de partida. Quem estiver posicionado nos primeiros lugares da classificação partirá dos últimos lugares na corrida. Precisamente no circuito mais exigente – o Nordschleife. Estreito. Complexo. Implacável. Irá a situação alterar-se? Ninguém pode confiar na vantagem alcançada. Agora não só têm de mostrar que possuem nervos de aço, como têm de aplicar todas as suas capacidades.

6.000

quilómetros percorridos durante os playoffs

Em conjunto, os participantes alcançam mais de 6.000 quilómetros no novo 911 GT3 RS.

960

voltas percorridas nos playoffs

Os participantes percorrem um total de 960 voltas durante as transmissões em direto dos playoffs.

A determinação de cada jogador é demonstrada na última corrida. No grupo 1, "Kaiser Wolf" passa da 8.ª para a 5.ª posição, apesar da perda do aileron traseiro, assegurando assim o seu bilhete para a Gamescom. Também no grupo 2 decorrem situações complicadas. Os vestígios das ultrapassagens e a luta pelas primeiras posições são claramente visíveis nos veículos. Após cerca de 3 horas e 6 corridas emocionantes, estão determinados os vencedores:

Grupo 1

1. Raceboy77, Canadá
2. Anto, França
3. Kaiser Wolf, Espanha
4. toobE, Alemanha

Grupo 2

1. b0x, Alemanha
2. Laige, França
3. Asix, França
4. K4mi, Alemanha

Um elenco prometedor para a final em direto. Os participantes dispõem de apenas alguns dias para se prepararem para este evento. Aí terão de entregar os comandos em troca de simuladores. Com volante, pedais e sob o olhar do público, participam na última corrida virtual no grande palco principal da ESL. Quem irá resistir a esta pressão e aproximar-se um pouco mais da meta: o encontro com o verdadeiro 911 GT3 RS?

Os simuladores estão prontos. O caminho está livre para o Nível 2.

Consumos e emissões

911 GT3 RS (WLTP)*
13,6
l/100 km
308,0
g/km
911 GT3 RS (NEDC)*
303
g/km

Localizador de Centros Porsche

Consumos e emissões

911 GT2 RS (NEDC)*
11,8
l/100 km
269
g/km
911 GT3 (NEDC)*
12,9 – 12,7
l/100 km
290 – 288
g/km
911 GT3 RS (WLTP)*
13,6
l/100 km
308,0
g/km
911 GT3 RS (NEDC)*
303
g/km
911 Turbo (NEDC)*
9,1
l/100 km
212
g/km
¹
Este modelo não está atualmente disponível como veículo novo livremente configurável. Caso esteja interessado em veículos existentes em stock e em veículos de reestreio, contacte o seu Centro Oficial Porsche.